CONTRACULTURA

confira a seção links com indicações sobre vários temas!

Feminismo no dia a dia 01/12/2010

Filed under: Uncategorized — gertrudenotstein @ 16:04
Tags: ,

Uma das coisas mais difíceis é saber lidar com as coisas cotidianas a partir de uma perspectiva feminista. Isso porque é aquela história: se você for encrencar com cada coisa, você vai ter dias muito estressantes e improdutivos. A partir do momento em que me vi assumindo idéias feministas, me deparei com desafios: como lidar com aqueles comentários de pessoas sem importância pra você? Ou pior, como lidar com os comentários que partem de namorados, de familiares? Ou de colegas de trabalho? Como fazer quando você vê em propagandas, filmes, piadas, tudo isso, indícios machistas?

Uma das coisas mais comuns é ficarmos marcadas como chatas, sem humor. Muitas vezes já me perguntaram: “você não consegue deixar isso pra lá por um momento?”, ou “o que você espera que eu faça?”, entre outros. E, de fato, bater muitas vezes na mesma tecla é um saco pra qualquer um, não importa o conteúdo, mas… é difícil ficar quieta, não?

E em uma discussão com namorado/a? Digamos, a respeito de verem pornografia e você discordar disso por questões ideológicas (obviamente não falo de uma discussão motivada por ciúmes). Ou dos parceiros homens e héteros, em geral, sempre desqualificarem a mulher em uma discussão: ela tá fazendo drama, ela tá de tpm, ela tá chorando à toa, ela não quer deixar o pobre em paz… pra qualquer mulher isso é um saco, mas pra uma mulher feminista… E como levantar sempre essa questão sem criar uma barreira nos outros? De não criar aquele clima “Lá vem ela de novo…”? Enfim, como equilibrar essa militância particular, digamos, sem interferir em demasiado no bem estar das relações? Claro que nenhuma feminista mesmo vai suportar namorar um machista completo, mas acho que todo mundo já viu que também faz parte isso de tentar fazer os outros enxergarem outras coisas, outros lados. Afinal, ess aé uma parte importantíssima da nossa luta, não é? Então não é uma luta somente pública.

Levanto essas questões meio óbvias, e sem me aprofundar muito nelas, que é pra saber o que acham disso, como lidam com isso, quais são as principais dificuldades e quais as principais vantagens, enfim! Gostaria que dividissem aqui ou postassem em seus próprios blogs as histórias, aposto que é uma dúvida recorrente em quem tá se “iniciando” no feminismo.

Anúncios
 

 
%d bloggers like this: